Os Rios

Os Rios

seis meses entre a vida e a morte

numa enfermaria de hospital
em casa há um mês
entre a morte e a morte.

nos fundos  o espelho d’água química

cisma às vezes de se levantar
cloacágulo sanguezal
berçário de ódio
administrado pelas elites
de tanto esperar os bárbaros
bárbaras
de tanto desejá-los e confessar abúlica
e sem culpa sua própria derrota

(trouxeram sanguessugas para a minha sangria?

trouxeram manguessugas para o próprio repasto?)

– quando dá vau

os ratos
enormes arrastam compenetradamente
comboios de corpos humanos e  outros restos

– param aqui em casa

às vezes se vão às vezes
não
(talvez numa dessas eu tenha ficado)
às vezes também calha
de subirem cantando direto rumo ao Inferno
no barco bêbado entupidos de crack e sentimentos ínferos
num Faria-Timbó num Acari que deságua
em Malebolge logo abaixo  de Meriti
ou sobem em horrendo alarido ao telhado
sentinelas ao abrigo das fardas azuis
que tentam monitorá-los das margens

que é quando a Ordem intervém

atendendo a denúncias atrás de substâncias ilícitas
como o Sol, que descai
mas os trens descarrilando
e um aprazível espocar de fogos
colore a aquarela vespertina a alimentar os jornais de amanhã
das dores das fendas
que latejam
seus pré-órfãos

porque esse parece ser

o destino

Por Roberto Bozzetti.

Leia mais na Firma Irreconhecível:

http://robertobozzetti.blogspot.com.br/

One thought on “Os Rios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *